Sábado, 19 de junho de 2021
informe o texto

Notícias | Mato Grosso

Assembleia Geral do Estado de MT define continuidade das aulas em home office com indicativo de greve a partir do fim do mês

A maioria da categoria se posicionou pela continuidade das atividades remotas

25/05/2021 | 08:51

Vila Rica News

Assembleia Geral do Estado de MT define continuidade das aulas em home office com indicativo de greve a partir do fim do mês

O posicionamento dos educadores para permanência das atividades remotas foi reafirmado diante do quadro de contaminação e mortes pela Covid-19 em todo o estado

Foto: Reprodução

A Assembleia Geral virtual do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), em plataforma virtual, definiu pela continuidade das aulas remotas, em home office, rechaçando a portaria nº 333 (aulas remotas, nas escolas) do governo. Os trabalhadores definiram que não retornarão às aulas presenciais, sem vacina e completa imunização dos profissionais, com as duas doses. A categoria deliberou por nova Assembleia Geral em 31 de maio, se necessário, com deflagração de greve, caso o governo insista no calendário de volta às atividades presenciais.

Neste momento, a maioria da categoria se posicionou pela continuidade das atividades remotas, com mobilizações de esclarecimento, antes de possível Assembleia Geral, dia 31, caso o governo utilize de procedimentos arbitrários. Os educadores terão agenda de luta programada com Conselho de Representantes marcado para os dias 5 e 6 de junho, em que avaliarão as ações, mobilizações e deliberações nos municípios, e Assembleia Geral para dia 7. 

O posicionamento dos educadores para permanência das atividades remotas foi reafirmado diante do quadro de contaminação e mortes pela Covid-19 nas diferentes regiões do estado. A falta de infraestrutura, e até mesmo Equipamentos de Proteção Individual (EPI"s) foram reafirmados, desmentindo as propagandas do governo. "Álcool gel e máscara não são suficientes", destacaram.

A volta às atividades presenciais nas escolas de professores e estudantes foi contestada de forma geral, e foi reafirmada necessária, a partir dos dados da própria Secretaria de Saúde do Estado, e com aval do secretário de estado de Saúde, Gilberto Figueiredo, quando destacou na mídia, que o estado está diante de uma terceira onda da Covid-19, devido o aumento do contágio, novas cepas, e da maior circulação de pessoas.

Os profissionais lembraram que não pararam de trabalhar, mantendo inclusive uma agenda de atividades ainda mais exaustiva, com o atendimento online. Porém, é a forma mais segura para todos. Destacaram a falta de condições das escolas, citaram falta de água em várias unidades, problemas de equipamentos danificados (caixa d"água, pias nos banheiros). Segundo afirmaram, a situação é inviável diante da pandemia e ainda pior para receber estudantes, diante dessas condições.

A categoria pontuou as dificuldades e deficiências vivenciadas para atuar até mesmo de forma presencial e remota, como foi deliberado pela portaria nº 333/2021. Destacaram a incoerência da proposta de alternativa apresentada pelo governo de suspensão das atividades presenciais em caso de contágio ou maior risco. "O governo quer nos colocar no abate", afirmaram

O presidente reafirmou que os trabalhadores da educação não devem ir para as escolas, pois não é um ambiente seguro, e todos estarão sujeitos a se contaminarem. "Nossa orientação é pelo trabalho remoto, em casa, e que as escolas se mantenham fechadas. Contamos com a mobilização de cada um e cada uma na defesa da vida", reafirmou o presidente do Sintep-MT, Valdeir.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet