Quinta-feira, 20 de junho de 2024
informe o texto

Notícias | Agro

TJ nega suspender ação por lavagem contra Silval, Riva e mais 3

Janete Riva, Pedro Nadaf e o advogado Rodrigo Pacheco também respondem o processo

11/06/2024 | 06:43

Mídia News

TJ nega suspender ação por lavagem contra Silval, Riva e mais 3

O desembargador Rui Ramos, que assina a decisão

Foto: Reprodução

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso negou recurso e manteve a ação penal em que o ex-governador Silval Barbosa, o ex-deputado estadual José Riva e outras três pessoas são acusadas pelo crime de lavagem de dinheiro na compra da Fazenda Bauru, localizada em Colniza, por R$ 18,6 milhões, em 2012. 

A decisão é assinada pelo desembargador Rui Ramos, da Segunda Câmara Criminal, e foi publicada nesta segunda-feira (10). 

Além de Silval e Riva, também respondem o processo a esposa do ex-deputado, Janete Riva, o ex-secretário de Estado Pedro Nadaf e o advogado Eduardo Pacheco, acusado de atuar como “laranja” de Silval na negociação.

Pacheco entrou com um habeas corpus no TJ buscando a suspensão da ação e das audiências de instrução até o julgamento do mérito, alegando “constrangimento ilegal”. 

Ele alega que não tinha conhecimento da origem supostamente ilícita dos valores apurados na investigação. 

Na decisão, o desembargador afirmou, porém, que o advogado não juntou nos autos as documentações necessárias para determinar o alegado constrangimento ilegal. 

“O impetrante colacionou no mandamus tão somente a denúncia, a decisão que a recebeu e àquela que designou as audiências de instrução, apreciando, ainda, teses preliminares. Há, na verdade, uma completa ausência documental que demonstre o suposto constrangimento ilegal mencionado pelo impetrante”, escreveu. 

“O impetrante limita-se a alegar respectivos fatos, omitindo-se de trazer aos autos qualquer documento hábil a comprovar seus argumentos, juntando documentos sem qualquer conteúdo apto a analisar o pleito. Assim, não há como conceder nenhuma liminar “ex officio”, em um habeas corpus de ofício”, acrescentou.  

Rui Ramos ainda enfatizou que a audiência de instrução é o momento em que se trará luz à ação penal, a fim de demonstrar ou não os fatos delituosos descritos na denúncia. 

"Razão pela qual não vejo motivos que demonstrem eventual prejuízo ao paciente, além do que, a tipificação penal a ele atribuída será apreciada, inclusive o pleito de desclassificação pretendido pelo impetrante", disse. 

“Dessa maneira, não vislumbro, prima facie, patente ilegalidade, teratologia, abuso de poder ou risco de perecimento ou dano grave e de difícil reparação ao direito do paciente, aptos a ensejar a concessão da medida liminar”, decidiu. 

A ação 

De acordo com a ação, tanto Silval quanto Riva admitiram em seus acordos de delação premiada que parte do valor da compra da propriedade, de 46 mil hectares, foi pago com propina. 

Segundo eles, os valores eram oriundos dos "retornos" dos incentivos fiscais concedidos aos frigoríficos JBS e Marfrig, e de outras empresas que prestavam serviços ao Estado.  

Na tratativa de negócio, conforme as delações, os 50% de reponsabilidade de Riva foram colocados no nome da empresa Floresta Viva, de propriedade dos seus três filhos e sua esposa, Janete Riva.

Já os 50% de Silval foram colocados no nome do advogado Eduardo Pacheco. No final, no entanto, todo o negócio foi feito em nome da Floresta Viva. 

Nadaf seria o responsável por passar os valores de Silval, fruto da propina, para Riva quitar as parcelas.  

Vale ressaltar que a posse da propriedade é discutida judicialmente em uma ação movida pela Agropecuária Bauru, que alega que a Floresta Viva não teria quitado parte do contrato de compra e venda.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
Sitevip Internet